Facebook Twitter Gplus YouTube RSS

Cruz e Sousa – Poemas

Cruz e Sousa – Poemas

Ironia de Lágrimas

Junto da morte é que floresce a vida!
Andamos rindo junto a sepultura.
A boca aberta, escancarada, escura
Da cova é como flor apodrecida.

A Morte lembra a estranha Margarida
Do nosso corpo, Fausto sem ventura…
Ela anda em torno a toda criatura
Numa dança macabra indefinida.

Vem revestida em suas negras sedas
E a marteladas lúgubres e tredas
Das Ilusões o eterno esquife prega.

E adeus caminhos vãos mundos risonhos!
Lá vem a loba que devora os sonhos,
Faminta, absconsa, imponderada cega!

( Cruz e Sousa )

cruz-e-sousa

camisetas amo poesia

*

Velho

Estás morto, estás velho, estás cansado!
Como um suco de lágrimas pungidas
Ei-las, as rugas, as indefinidas
Noites do ser vencido e fatigado.

Envolve-te o crepúsculo gelado
Que vai soturno amortalhando as vidas
Ante o repouso em músicas gemidas
No fundo coração dilacerado.

A cabeça pendida de fadiga,
Sentes a morte taciturna e amiga,
Que os teus nervosos círculos governa.

Estás velho estás morto! Ó dor, delírio,
Alma despedaçada de martírio
Ó desespero da desgraça eterna.

( Cruz e Sousa )

*

A Morte

Oh! que doce tristeza e que ternura
No olhar ansioso, aflito dos que morrem…
De que âncoras profundas se socorrem
Os que penetram nessa noite escura!

Da vida aos frios véus da sepultura
Vagos momentos trêmulos decorrem…
E dos olhos as lágrimas escorrem
Como faróis da humana Desventura.

Descem então aos golfos congelados
Os que na terra vagam suspirando,
Com os velhos corações tantalizados.

Tudo negro e sinistro vai rolando
Báratro a baixo, aos ecos soluçados
Do vendaval da Morte ondeando, uivando…

( Cruz e Sousa )

*

Escárnio Perfumado

Quando no enleio
De receber umas notícias tuas,
Vou-me ao correio,
Que é lá no fim da mais cruel das ruas,

Vendo tão fartas,
D’uma fartura que ninguém colige,
As mãos dos outros, de jornais e cartas
E as minhas, nuas – isso dói, me aflige…

E em tom de mofa,
Julgo que tudo me escarnece, apoda,
Ri, me apostrofa,

Pois fico só e cabisbaixo, inerme,
A noite andar-me na cabeça, em roda,
Mais humilhado que um mendigo, um verme…

( Cruz e Sousa )

*

Alma solitária

Ó Alma doce e triste e palpitante!
que cítaras soluçam solitárias
pelas Regiões longínquas, visionárias
do teu Sonho secreto e fascinante!

Quantas zonas de luz purificante,
quantos silêncios, quantas sombras várias
de esferas imortais, imaginárias,
falam contigo, ó Alma cativante!

que chama acende os teus faróis noturnos
e veste os teus mistérios taciturnos
dos esplendores do arco de aliança?

Por que és assim, melancolicamente,
como um arcanjo infante, adolescente,
esquecido nos vales da Esperança?!

( Cruz e Sousa )

*

Livre

Livre! Ser livre da matéria escrava,
arrancar os grilhões que nos flagelam
e livre penetrar nos Dons que selam
a alma e lhe emprestam toda a etérea lava.

Livre da humana, da terrestre bava
dos corações daninhos que regelam,
quando os nossos sentidos se rebelam
contra a Infâmia bifronte que deprava.

Livre! bem livre para andar mais puro,
mais junto à Natureza e mais seguro
do seu Amor, de todas as justiças.

Livre! para sentir a Natureza,
para gozar, na universal Grandeza,
Fecundas e arcangélicas preguiças.

( Cruz e Sousa )

A volta dos restos mortais do poeta Cruz e Sousa a sua cidade natal Florianópolis, antiga desterro.

Conheça também:
Cruz e Sousa – Wikipedia

(Seleção de Fabio Rocha)


Cruz e Sousa

Cruz e Sousa

O poeta Cruz e Sousa

Voltar para o índice de poetas consagrados

Camisetas Amo Poesia

23 Respostas

  1. O poeta descreve vida e morte tão somente como é "Da vida aos frios véus da sepultura/ Vagos momentos trêmulos decorrem…" E embora ele, Cruz e Sousa, no início do soneto tenha dirigido um tom mais suave à Morte ele enfatiza a beleza mórbida que a envolve "De que âncoras profundas se socorrem/ Os que penetram nessa noite escura!", muito embora "Com os velhos corações tantalizado…" cheios de si, vivemos, leio-o como uma mensagem, aos vivos, de que a morte ronda e pouco ou quase nada nos apercebemos do realidade enquanto saudáveis mas, indiferentes. Amo esse soneto – simplesmente, magnífico!

  2. ADÍLIO BELMONTE

    Cruz e Sousa é ainda bem vivo! Fala da morte com a naturalidade e a superioridade de quem a viveu, pois de além túmulo já nos mandou mensagens poéticas com o mesmo valor que fez na terra.
    Sua poesia possui um valor especial.

  3. Maria Georgina Guinancio

    Tenho verdadeiro fascínio pelo poeta Cruz e Souza, pela sua história…0 simbolismo me fascina e Cruz e Souza foi quem me induziu a isso!… Sou sua eterna admiradora…

  4. Rodolfo Leite

    Parabéms pelo Blog.
    Comecei a ler Cruz e Souza, guiado pelas mãos da prof. de literatura Regina Brasil.
    Este país infelizmente so reverencia seus grandes nomes postumamente……
    Agora permita-me um comentario.
    QUE FALTA DE RESPEITO a postura destes “pseudo guardas de honra”, obseve a vergonha aos 16:21minutos do video …. o pulha atende ao celular!!!, fala em abrir uma cafeteria no local…
    que vergonha.
    Me perdoe pelo comentario, mas se fez necessário.

  5. Eliomar Pinheiro

    Estou de volta. Vinho e amor a Cruz e Souza. Mais umas poesias do meu amado poeta e minha felicidade se ampliaria. Tenho livro com as poesias, mas gostaria de vê-las aqui, sem erros, como estas postas. Que tal? Parabéns!

  6. Carlos Mesquita

    Gosto dos poemas de cruz, embora Rebuscado, Ele e muito inventivo com as palavras, mas densos e sublimes, são poemas pra ler e aprender sobre a brasil escravo.

  7. Eliomar Pinheiro

    Por favor, disponibilize as demais poesias de Cruz e Souza. Sou fascinado pelo poder da poesia deste nobre poeta. Tão fortes, verdadeiras e edificadas em cima da verdade, com a concisão e beleza necessária à poesia. É o mais expressivo poeta brasileiro!

  8. Eliomar Pinheiro

    Fantástico. Bom gosto. Estão danificando a consciência literária com as traduções inglesas. Tanta coisa latino americana tão nobre, tão lindas, tão cheias de vida e de sentido. Por que misturar a beleza com o absurdo? Esta coisa das sagas e dos livros americanos feitos para o comércio… Fico com nosso vinho e com nossa literatura original, dos que a fizeram por amor às palavras.

  9. Fernanda Francini

    ameei mttt bbom

  10. roseth campos

    Gostei !!!!!!!!!

  11. Infelizmente, grande parte dos filhos desta imensa pátria chamada Brasil,
    preferem assimilar coisas, que sem sombra de dúvida não convém ser assimiladas.
    Ou seja;assimilamos o que é parvo, e menosprezamos o que deveria ser
    contemplado(-)Cá estamos.Sequiosos!Carentes!Sobretudo,''desprovidos de cultura.''

  12. Debora Silva

    lindas as poesias amo todas……..

  13. Mais um… "Brasileiro" que o Brasil não declama … Essa, deveria ser a preocupação do Ensino nas Escolas… "O Brasil que não se conhece"… O passado, no presente, construindo o futuro nos versos de um Povo que ainda não se descibriu….O que será do nosso Brasil…..

  14. Carlos Emidio

    Grande poeta brasileiro, mas pena que no Brasil nem todos podem curtir a fama, pois ela só vem após a morte…

  15. Edvaldo Queiroz

    Muito bom…

  16. Sábio com as palavras…. Ammooooooooooo!!1

  17. Jefferson Lopes

    Esse e o cara

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Home Cruz e Sousa – Poemas