Falsas Autorias – Falsa Autoria – Autoria Errada – Autoria Trocada – Atribuição Trocada – Texto Apócrifo

Falsas Autorias – são textos que circulam na rede como se fossem de um autor, mas não são. Também conhecidas como autoria erradaautoria trocada, atribuição trocada ou texto apócrifo.

Colabore com esta campanha contra as falsas autorias e pela melhora da qualidade das informações encontradas na internet! Compartilhe este post com seus amigos!

Este fenômeno é facilmente percebido no mundo virtual, tanto em sites quanto em redes sociais. Abaixo, colocamos alguns exemplos de falsas autorias bastante disseminadas:

 

Mais reportagens e posts sobre falsas autorias:

 

Como acontece?

Não dá pra saber com certeza como se inicia. As pessoas alteram por engano ou má-fé a autoria de textos que se espalham pelas redes sociais, e-mails ou até mesmo alguns sites.

E você muito possivelmente participa disso, se não confere em um livro, acreditando na autenticidade do texto, e o compartilha.

 

Malefícios

Espalhar um texto errado ou com autoria trocada é um total desrespeito ao autor, ao leitor e ao nosso patrimônio cultural. Piorado porque tudo na internet tem grande capacidade de se espalhar e em muito pouco tempo… Uma falsa autoria pode se espalhar de modo viral pela rede e dar informação errada a milhões de pessoas.

Para piorar, cada vez mais gente tem seu primeiro contato com textos de grandes autores através de textos errados na internet, pois se passa mais tempo no facebook do que lendo livros.

 

Soluções

É muito importante conscientizar mais e mais pessoas a pensar antes de compartilhar, conferir em livros e deixar as referências bibliográficas para não repassar informação errada e arte falsificada.

Outra solução que achamos na internet é compartilhar apenas fotos dos textos nos livros, sem esquecer de mostrar a autoria correta.

 

O que fazemos na Magia da Poesia?

Este site é de pessoas apaixonadas por poesia e literatura. Logo, uma tentativa de resistência à difusão de falsas autorias e textos anônimos. Passamos a revisar todo o nosso conteúdo em vez de expandi-lo, colocando referências bibliográficas abaixo dos poemas.

Se concorda com esta campanha, participe! Compartilhe com seus amigos essas ideias.

falso

Os Falsos Quintanas (“Um dia você aprende” e outros que não são de Quintana)

As pessoas me pediam muito a poesia “Um Dia” que a dupla de cantores sertanejos Bruno e Marrone declamava no início dos seus shows, que seria do Mario Quintana. Só que não é. Aliás, o próprio show se chama “Um dia” e vários jornais e sites divulgaram que foi inspirado num poema de Quintana com este título, mas nunca vi esse poema em livro nenhum dele e não é minimamente o seu estilo. Reparem como até mesmo cantores e jornais caem nisso, sem checar nada…

Seguem abaixo esse e outros poemas que não são de Quintana, mas circulam pela net como se fossem dele (“o segredo não é correr atrás das borboletas…”, “Deficiências”, “Felicidade Realista” e outros). Deixo bem destacado que cada texto não é de Quintana para evitar o COPIAR e COLAR apressado. Cada um dos textos abaixo é uma falsa autoria.

*

UM DIA (ou UM DIA DESCOBRIMOS…) – Autor Desconhecido – Não é de Mario Quintana! - Falsa Autoria

Um dia descobrimos que beijar uma pessoa para esquecer outra é bobagem.

Você não só não esquece a outra pessoa como pensa muito mais nela….

Um dia nós percebemos que as mulheres tem instinto “caçador” e fazem qualquer homem sofrer…

Um dia descobrimos que se apaixonar é inevitável…

Um dia percebemos que as melhores provas de amor são as mais simples…

Um dia percebemos que o comum não nos atrai…

Um dia saberemos que ser classificado como o “bonzinho” não é bom…

Um dia perceberemos que a pessoa que nunca te liga é a que mais pensa em você…

Um dia saberemos a importância da frase: “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas…”

Um dia percebemos que somos muito importantes para alguém, mas não damos valor a isso…

Um dia percebemos como aquele amigo faz falta, mas aí já é tarde demais…

Enfim… um dia descobrimos que apesar de viver quase um século esse tempo todo não é suficiente para realizarmos todos os nossos sonhos, para beijarmos todas as bocas
que nos atraem, para dizer tudo o que tem que ser dito naquele momento.

Não existe hora certa para dizer o que sentimos se quem estiver te ouvindo não te compreender, não te merecer…

O jeito é: ou nos conformamos com a falta de algumas coisas na nossa vida ou lutamos para realizar todas as nossas loucuras…

Quem não compreende um olhar tampouco compreenderá uma longa explicação.

Autor Desconhecido – Não é de Mario Quintana! - Falsa Autoria

*

Aprenda a gostar de você… – Autor Desconhecido – Não é de Mario Quintana! – Falsa Autoria

Aprenda a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você…
Com o passar do tempo, nossas prioridades vão mudando…
A vida profissional, a monografia de final de curso, as contas a pagar.
Mas, uma coisa parece estar sempre presente. a busca pela felicidade.
Desde pequenos ficamos nos perguntando:
– Quando será que vai chegar?
E a cada nova paquera, vez ou outra, nos pegamos na dúvida:
– Será que é ele?
Como diz o meu pai:
– Nessa idade tudo é definitivo.
Pelo menos a gente achava que era.
Cada namorado era o novo homem da sua vida.
Faziam planos, escolhiam o nome dos filhos, o lugar da lua-de-mel e, de repente… plaft!
Como num passe de mágica ele desaparecia, fazendo criar mais expectativas a respeito do próximo.
Você percebe que cair na guerra quando se termina um namoro é muito natural, mas que já não dura mais de três meses.
Agora, você procura melhor e começa a ser mais seletiva.
Procura um cara formado, bem resolvido, inteligente, com aquele papo que a deixa sentada no bar o resto da noite.
Você procura por alguém que cuide de você quando está doente, que não reclame em trocar aquele churrasco dos amigos pelo aniversário da sua avó, que sorria de felicidade quando te olha, mesmo quando está de short, camiseta e chinelo.
A gente inventa um monte de desculpas esfarrapadas, mas continuamos com a procura incessante por uma pessoa legal, que nos complete e vice-versa.
Enquanto tivermos maquiagem e perfume, vamos à luta…
Mas, bom mesmo, é se divertir com as amigas (os), rir até doer a barriga, fazer aqueles passinhos bregas de antigamente.
Olhar para o teto, cantar bem alto aquela música que você adora.
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela.
Percebe também que aquele cara (garota) que você ama (ou acha que ama), e que não quer nada com você, definitivamente não é o homem(mulher) da sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você.
O segredo é não correr atrás das borboletas…
É cuidar do jardim para que elas venham até você.
No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

Autor Desconhecido – Não é de Mario Quintana! - Falsa Autoria

*

O TEMPO – Autor Desconhecido – Não é de Mario Quintana! - Falsa Autoria

Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela.

Percebe também que aquele alguém que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente não é o alguém da sua vida. Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você.

O segredo é não correr atrás das borboletas… é cuidar do jardim para que elas venham até você.

No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!

Autor Desconhecido – Não é de Mario Quintana! - Falsa Autoria

*

“Bendito quem inventou o belo truque do calendário, pois o bom da segunda-feira, do dia 1º do mês e de cada ano novo é que nos dão a impressão de que a vida não continua, mas apenas recomeça…” Autor Desconhecido – Não é de Mario Quintana! - Falsa Autoria

*

AMOR É SÍNTESE – Autor Desconhecido – Não é de Mario Quintana! - Falsa Autoria

Por favor, não me analise
Não fique procurando cada ponto fraco meu.
Se ninguém resiste a uma análise profunda,
Quanto mais eu…

Ciumento, exigente, inseguro, carente
Todo cheio de marcas que a vida deixou
Vejo em cada grito de exigência
Um pedido de carência, um pedido de amor.

Amor é síntese
É uma integração de dados
Não há que tirar nem pôr
Não me corte em fatias
Ninguém consegue abraçar um pedaço
Me envolva todo em seus braços
E eu serei o perfeito amor.

Autor Desconhecido – Não é de Mario Quintana! - Falsa Autoria

*

Na solidão, na penumbra do amanhecer.
Via você na noite, nas estrelas, nos planetas,
nos mares, no brilho do sol e no anoitecer.

Via você no ontem, no hoje, no amanhã…
Mas não via você no momento.

Que saudade…

Autor Desconhecido – Não é de Mario Quintana! - Falsa Autoria

Falsas Autorias

  • Leia mais falsas autorias de Quintana no Wikiquote

Leia outros posts educativos

(post original de 22 de março de 2012)


Gostou deste site? Ajude a mantê-lo no ar: Contribua.

Leia também:

Não perca nenhum post deste blog recebendo por e-mail:
Cadastre-se aqui gratuitamente.

Também divulgamos poemas sem erros nas redes sociais, junte-se a outros amantes da poesia:
Facebook | Twitter | Google+ | |

Fabio Rocha

facebooktwittergoogle pluslinkedin

Poeta nascido no Rio de Janeiro em 1976. Considerado um dos poetas brasileiros mais representativos da década de 2000, é autor de vários livros publicados gratuitamente em seu blog, cujos melhores poemas foram reunidos em Corte (Ibis Libris, 2004) e rio raso (Patuá, 2014). Mantém o bem sucedido site “A Magia da Poesia”, onde divulga a obra de grandes poetas. Seus poemas já foram selecionados para livros escolares, traduzidos para o russo, publicados em diversas revistas literárias, bem como na antologia Roteiro da Poesia Brasileira (Global, 2009). (saiba +)


102 Respostas

  1. Fábio Menezes

    Gostei muito desse site, parabéns pela a iniciativa!!

  2. Denise Lyrio Pacheco

    A vida
    Atribuído a Mario Quintana

    Depois de muitas quedas, eu descobri que, às vezes, quando tudo dá errado acontecem coisas tão maravilhosas que jamais teriam acontecido se tudo tivesse dado certo.
    Eu percebi que quando me amei de verdade pude compreender que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa. Então pude relaxar. Pude perceber que o sofrimento emocional é um sinal de que estou indo contra a minha verdade.
    Parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento.
    Comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma coisa ou alguém que ainda não está preparado, inclusive eu mesmo. Comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável. Isso quer dizer: pessoas, tarefas, crenças e qualquer coisa que me pusesse pra baixo….
    Minha razão chamou isso de egoísmo. Mas hoje eu sei que é AMOR-PRÓPRIO. Quando me amei de verdade deixei de temer meu tempo livre e desisti de fazer planos. Hoje faço o que acho certo e no meu próprio ritmo. Como isso é bom! Desisti de querer ter sempre razão, e com isso errei muito menos vezes. Desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Isso me mantém no presente, que é onde a vida acontece. Descobri que na vida a gente tem mais é que se jogar, porque os tombos são inevitáveis e a hora que a gente levanta ninguém segura. Percebi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar, mas quando eu a coloco a serviço do meu coração ela se torna uma grande e valiosa aliada. Também percebi que sem amor, sem carinho e sem verdadeiros amigos a vida é vazia e se torna amarga.
    Hoje eu só tenho encontro marcado com aquilo que me interessa.
    Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá a falência.
    Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.
    Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história… É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

    O estilo não guarda sintonia com a poesia de Quintana e palavras como relaxar, se jogar e a linha auto-ajuda não se coadunam com a escrita do poeta.

  3. Ly Alma

    Bom Dia!
    “Tudo passa, só a arte robusta possui a eternidade.
    Theophile Gautier”

    Por gentileza um site de poetas… do período parnasiano da França, confiáveis e traduzidos. Muito grata

  4. Elaine

    Outro texto atribuído ao Jorge Luiz Borges, pelo que sei erradamente, é Instantes. Se eu pudesse viver novamente…”

  5. Débora

    Eis a verdadeira autoria:

    Amor é síntese

    Por favor, não me analise
    Não fique procurando
    cada ponto fraco meu
    Se ninguém resiste a uma análise
    profunda, quanto mais eu !
    Ciumenta, exigente, insegura, carente
    toda cheia de marcas que a vida deixou :
    Veja em cada exigência
    um grito de carência,
    um pedido de amor !

    Amor, amor é síntese,
    uma integração de dados:
    não há que tirar nem pôr.
    Não me corte em fatias,
    (ninguém abraça um pedaço),
    me envolva todo em seus braços
    E eu serei perfeita, amor!

    Mirthes Mathias
    In: Bom dia amor!

    Retificação: Recebi a informação que este poema que tem sido atribuido a Mário Quintana é na realidade de Mirthes Mathias In: Bom dia amor! Juerp,1990

  6. Maurício Flores

    Parabéns pelo site! Está circulando nas redes, devido ao Dia das Mães, a mensagem abaixo, atribuída a Madre Teresa de Calcutá. Não achei nenhum lugar confiável que dissesse isso (em postagens antigas, há referência a autor desconhecido). Creio que é mais uma falsa autoria, você teria como ter uma informação mais confiável?

    “Ensinarás a voar …
    Mas não voarão o teu voo.
    Ensinarás a sonhar …
    Mas não sonharão o teu sonho.
    Ensinarás a viver…
    Mas não viverão a tua vida.
    Ensinarás a cantar …
    Mas não cantarão a tua canção.
    Ensinarás a pensar…
    Mas não pensarão como tu.
    Porém, saberás que cada vez que voem, sonhem, vivam, cantem e pensem…
    Estará a semente do caminho ensinado e aprendido!”

  7. Mirian Aguirre

    Olá, boa tarde.

    Poderia me informar se as crônicas “A pessoa errada” e “Exigências da vida moderna” são de autoria do Luís Fernando Veríssimo?
    Até onde sei, não são mas preciso dessa informação e achei que você soubesse.

    Grata. Abraços.

  8. Que bom encontrar esta publicacao. Muito bom !!!

  9. Sabe dizer quem é o verdadeito autor (a) de Felicidade realista? É de Martha Medeiros?

  10. Eliana Bess d'Alcantara

    O poema “O amor é síntese” (Por favor não me analise…) a partir de agora não é mais de autor desconhecido para você. É Mirthes Mathias, do livro “Bom dia amor!”, Juerp, 1990
    Conheci a autora, e tenho este livro. E já vi outros poemas dela erroneamente atribuidos a outros autores, só que agora não me recordo quais.

  11. Barbara, eu mandei um email à CCMQ sobre o "Segredo é não correr atrás"… Eles me responderam afirmando tratar-se de um texto de MARTHA MEDEIROS, cronista gaúcha. Posso repassar o email caso tenham interesse.

  12. Parabéns , é sempre bom ter certeza do que citamos

  13. Catarina

    Você coloca um dos textos como se não fosse do Quintana e diz que a autoria é desconhecida, mas alteraram e cortaram um texto dele. Falo do seguinte:
    “Bendito quem inventou o belo truque do calendário, pois o bom da segunda-feira, do dia 1º do mês e de cada ano novo é que nos dão a impressão de que a vida não continua, mas apenas recomeça…”

    O original tem o título “713.789″ e está no livro “Da preguiça como Método de Trabalho”:

    “713.789

    O bom das segundas-feiras, do primeiro de cada mês e do Primeiro do Ano é que nos dão a ilusão de que a vida se renova… Que seria de nós se a folhinha estivesse marcando hoje o dia 713.789 da Era Cristã?”
    — Da Preguiça como Metodo de Trabalho

  14. Chura Aquarone

    Olá!

    Fábio, excelente trabalho! Sou bibliotecária e tenho muita dificuldade hoje em dia em confiar nas fontes de informações virtuais. E esta situação está cada vez pior, nota-se tal desleixo com a autoria até em jornais e revistas entre outros meios de informação que até então era seguro. Complicado…
    Parabéns!

  15. Driely Souza

    Olá, Fábio. Primeiramente gostaria de parabenizá-lo por seu trabalho, essa questão de falsa autoria está cada vez mais evidente. Uma das escritoras mais citadas nas redes sociais e que mais vejo textos duvidosos atribuídos a ela é a Clarice Lispector. São textos que, obviamente, não condizem com seu estilo e, constantemente, pesquiso e leio para poder ter certeza do que é ou não da minha escritora preferida. O último que vi foi um poema atribuído a ela numa página do facebook, comentei que aquele poema não era dela, pois nem poemas ela escrevia, apenas prosa poética. A pessoa, dona da página, comentou sobre um tal Damásio que teria reescrito alguns textos da escritora e transformado-os em poemas. Pesquisei e confirmei. Realmente um tal padre Antônio Damásio fez isso. Entretanto, continuo acreditando que tal poema chamado “O sonho” não é da Clarice. Você poderia me confirmar e dizer, se puder, de quem seria? Agradeço desde já!

    O sonho

    Sonhe com aquilo que você quer ser,
    porque você possui apenas uma vida
    e nela só se tem uma chance
    de fazer aquilo que quer.

    Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
    Dificuldades para fazê-la forte.
    Tristeza para fazê-la humana.
    E esperança suficiente para fazê-la feliz.

    As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas.
    Elas sabem fazer o melhor das oportunidades
    que aparecem em seus caminhos.

    A felicidade aparece para aqueles que choram.
    Para aqueles que se machucam
    Para aqueles que buscam e tentam sempre.
    E para aqueles que reconhecem
    a importância das pessoas que passaram por suas vidas.

    Clarice Lispector (?)

    • Pe. Antonio Damásio

      Anos depois o “tal” padre Antonio Damásio aparece. evidentemente, para se defender. Não reescrevi nenhum texto de Clarice Lispector. A convite de Soares Feitosa, proprietário do portal “Jornal de Poesia”, simplesmente coloquei em forma de versos alguns trechos da prosa de CL. Não mudei nada. Os textos caíram na net e as pessoas foram mudando, a seu bel prazer.

      Agradeço a atenção.

  16. Citações que eu não citei

    Fábio, consulto bastante tua página, pois acho importantíssimo esse trabalho. Tenho uma página no Facebook justamente para colaborar com esta "batalha".

  17. Alma de Libélula

    Tenho que fazer um check-up na minha página! Não gosto de espalhar falsas autorias, mas esta é uma tarefa que exige muita pesquisa. Obrigada pelo empenho.

  18. Cyka

    Muito legal esse trabalho, já usei vários textos achando que era de Quintana. Tenho alguns livros de poesia mas é difícil conferir, sempre vou buscar na internet até que achei seu blog… Obrigada!

  19. Ana

    Boa tarde, gostaria de saber de quem é de fato o texto: Cronica do amor.
    Ja achei no google 3 autores atribuidos a tal texto, Arnaldo Jabor, Roberto Freire e Martha Medeiros

    Obrigada

  20. Damian

    Olá, eu estou encucado com uma frase que tenho quase certeza de que ela não é de um livro, mas em todo lugar ela consta como tal.

    “E o riso dela? Era algo absolutamente dominador. Ninguém tinha a menor chance diante dele.”

    Que é atribuído ao livro “A Menina que Roubava Livros”

    cheguei a pensar se não era de outro livro do mesmo autor e se a internet espalhou isso como se fosse desse, um site copiando outro etc…

    se puder me ajudar…

    abraço!

  21. Rosalba Saraiva

    Então,está confirmado que os versos “O segredo não é correr atrás das borboletas,o segredo é cuidar do jardim para que elas venham até você” não pertencem a Quintana?Sei que é difícil mas será que podemos identificar a autoria?

    • Helena

      Fabio, segue correspondência minha com a CCMQ sobre esse texto… E a luta continua!
      Excelente post!

      —– Original Message —–
      From: Helena Argolo
      To: ccmq@ccmq.rs.gov.br
      Sent: Monday, December 20, 2004 12:52 AM
      Subject: Texto

      Prezados senhores,
      Recebi, recentemente, o texto abaixo, pela internet, cuja autoria é atribuída a Mário Quintana.
      Sou, contudo, uma leitora antiga do mesmo poeta, e achei o estilo do texto diferente do usual! Achei, inclusive, que o estilo do texto é por demais jovem e feminino para lhe pertencer.
      Se for possível, gostaria de saber se o mesmo texto é de autoria de Mário Quintana. Faço parte de uma comunidade que busca desfazer possíveis equívocos de autoria, pelo que a informação seria importante para nós.
      Cordialmente,

      Helena Argolo.

      TEXTO:
      “Aprenda a gostar de você, a cuidar de você e,principalmente, a gostar de quem também gosta de você…
      A idade vai chegando e, com o passar do tempo,nossas prioridades na vida vão mudando…a vida profissional,a monografia de final de curso,as contas a pagar.
      Mas uma coisa parece estar sempre presente… A busca pela felicidade com o amor da sua vida.
      Desde pequenas ficamos nos perguntando “quando será que vai chegar?” e a cada nova paquera,vez ou outra nos pegamos na dúvida “será que é ele?”.
      Como diz o meu pai: “nessa idade tudo é definitivo”,pelo menos a gente achava que era.
      Cada namorado era o novo homem da sua vida.Faziam planos, escolhiam o nome dos filhos, o lugar da lua-de-mel e, de repente…PLAFT! Como num passe de mágica ele desaparecia, fazendo criar mais expectativas a respeito “do próximo”.
      Você percebe que cair na guerra quando se termina um namoro é muito natural, mas que já não dura mais de três meses.Ag ora, você procura melhor e começa a ser mais seletiva.Procura um cara formado, trabalhador,Bem resolvido, inteligente,com aquele papo que a deixa sentada no bar o resto da noite.
      Você procura por alguém que cuide de você quando está doente,que não reclame em trocar aquele churrasco dos amigos pelo aniversário da sua avó,que jogue “imagem e ação” e se divirta como uma criança,que sorria de felicidade quando te olha, mesmo quando está de short, camiseta e chinelo.
      A liberdade, ficar sem compromisso, sair sem dar satisfação já não tem o mesmo valor que tinha antes.
      A gente inventa um monte de desculpas esfarrapadas mas continuamos com a procura incessante por uma pessoa legal, que nos complete e vice-versa.
      Enquanto tivermos maquiagem e perfume, vamos à luta…e haja dinheiro para manter a presença em todos os eventos da cidade:churrasco, festinhas, boates na quinta-feira.Sem falar na diversidade que vai do Forró ao Beatles.
      Mas o melhor dessa parte é se divertir com as amigas, rir até doer a barriga, fazer aqueles passinhos bregas de antigamente e curtir o som…olhar para o teto, cantar bem alto aquela música que você adora.
      Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa, você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela.
      Percebe também que aquele cara que você ama (ou acha que ama), que não quer nada com você,definitivamente não é o homem da sua vida.
      Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e,principalmente, a gostar de quem também gosta de você.
      segredo é não correr atrás das borboletas… é cuidar do jardim para que elas venham até você.
      o final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!”

      De: Comunicação CCMQ
      Para: “Helena Argolo”
      Assunto: Re: Texto
      Data: Wed, 22 Dec 2004 13:53:44 -0200

      Helena,
      Este texto, assim como outro intitulado Sermão de Casamento, são creditados erroneamente a Mario Quintana na Internet. Na verdade, eles foram produzidos pela cronista gaúcha Martha Medeiros.
      Espero ter ajudado.

      Atenciosamente
      Luciana Thomé

      Assessoria de Comunicação CCMQ
      ccmq@ccmq.rs.gov.br
      (51) 3211-5581 / 3226-4982

      CCMQ – Rua dos Andradas, 736 Centro
      Porto Alegre – RS CEP 90020-004
      Horário – De terças a sextas, das 9h às 21h.
      Sábados, domingos e feriados, das 12h às 21h.

  22. Ada

    Esses dias recebi uma frase quase de auto ajuda, de ninguém menos que LEONARDO DA VINCI!!!

  23. Jorge

    Prezados!
    Eu, como apenas um leitor, e não um especialista, também já tinha notado alguns “escritos” em total desacordo com o Perfil do Autor citado. Muitso textos e frases que não “combinam” com os nomes atribuídos. E muitos Pedro Biais da vida sendo “taxados” como Pensadores (rsrsrss…).
    Um abraço,
    Jorge

  24. Edjane Pinheiro

    Olá!
    Recebo sempre os posts com as novidades e as doces doses diárias de belas poesias em meu e-mail já há algum tempo.
    Uma coisa que me inquieta é este assunto das falsas autorias que vemos nas redes sociais.
    Eu, particularmente, tenho a mania de verificar na internet a autoria e o texto completo, quando gosto de algo.
    Outro dia, recebi por e-mail este vídeo, que fui pesquisar no Youtube, onde há várias publicações indicando a autoria como sendo de Mário Quintana.
    Como fuquei mesmo na dúvida e não o encontrei em seu site, resolvi copiar e lhes perguntar.
    No vídeo, inclusive, há uma frase a mais além do que encontrei no texto supostamente do Mario.
    Seria: “Quando se vê não sabemos mais por onde andam os nossos amigos!” (*)
    E aí, tem como nos ajudar a identificar o texto correto e sua autoria?

    Abs,
    Edjane Pinheiro.

    Link do vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=aF2F7_rSgVE

    Texto:
    “O tempo

    A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
    Quando se vê, já são seis horas!
    Quando de vê, já é sexta-feira!
    Quando se vê, já é natal…
    Quando se vê, já terminou o ano… (*)
    Quando se vê perdemos o amor da nossa vida.
    Quando se vê passaram 50 anos!
    Agora é tarde demais para ser reprovado…
    Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.
    Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas…
    Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo…
    E tem mais: não deixe de fazer algo de que gosta devido à falta de tempo.
    Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz.
    A única falta que terá será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará.

    Mario Quintana”

    • Edjane, segue texto correto e com referência bibliográfica que em mesmo conferi em livro. Abração

      Seiscentos e Sessenta e Seis

      A vida é uns deveres que nós trouxemos para fazer em casa.
      Quando se vê, já são 6 horas: há tempo…
      Quando se vê, já é 6ª-feira…
      Quando se vê, passaram 60 anos…
      Agora, é tarde demais para ser reprovado…
      E se me dessem – um dia – uma outra oportunidade,
      eu nem olhava o relógio
      seguia sempre, sempre em frente…

      E iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas.

      ( Mario Quintana )
      (Poema publicado originalmente no livro Esconderijos do Tempo, retirado de Poesia Completa – Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2005, p. 479)

    • Simone

      Amigo, não sou também uma especialista em poesias, mas, agora lendo esta correção que você postou para Edjane Pinheiro, sobre “o Tempo”, percebi que publiquei esta mesma poesia correspondente a Mario Quintana com algumas modificações. Ficaria muito grata se vc pudesse indicar páginas com poesias e referencias realmente autenticas. Eu recorro muitas vezes ao “CITADOR”, me pareceu serem verdadeiras as autorias. Já a pagina “Pensador” eu tenho receio de publicar com referencias falsas, mas, confesso que algumas vezes cheguei a publicar algumas poesias por achar a mensagem bonita e reflexiva.

  25. Maristela Arcieri

    Encontrei no Facebook e no youtube um poema belíssimo: Se eu morrer antes de você. Como tinham atribuído a autoria a Chico Xavier (acho o mais provável), a Vinicius de Morais e até a um poeta espanhol. Tentei encontrar o autor certo, não consegui. Você poderia me ajudar a determinar o verdadeiro autor?
    Obrigada,
    Maristela.

  26. ELENA

    Muere lentamente
    (English translation below)

    Muere lentamente quien se transforma en esclavo del hábito, repitiendo todos los días los mismos trayectos, quien no cambia de marca, no arriesga vestir un color nuevo y no le habla a quien no conoce.

    Muere lentamente quien evita una pasión, quien prefiere el negro sobre blanco y los puntos sobre las “íes” a un remolino de emociones, justamente las que rescatan el brillo de los ojos, sonrisas de los bostezos, corazones a los tropiezos y sentimientos.

    Muere lentamente quien no voltea la mesa cuando está infeliz en el trabajo, quien no arriesga lo cierto por lo incierto para ir detrás de un sueño, quien no se permite por lo menos una vez en la vida, huir de los consejos sensatos.

    Muere lentamente quien no viaja, quien no lee, quien no oye música, quien no encuentra gracia en sí mismo.

    Muere lentamente quien destruye su amor propio, quien no se deja ayudar.

    Muere lentamente, quien pasa los días quejándose de su mala suerte o de la lluvia incesante.

    Muere lentamente, quien abandona un proyecto antes de iniciarlo, no preguntando de un asunto que desconoce o no respondiendo cuando le indagan sobre algo que sabe.

    Evitemos la muerte en suaves cuotas, recordando siempre que estar vivo exige un esfuerzo mucho mayor que el simple hecho de respirar.

    Solamente la ardiente paciencia hará que conquistemos una espléndida felicidad.

    -Pablo Neruda- OU MARTA MEDEIROS?

  27. Luiz Fernando Guedes Gallego Soares

    Geralmente identifico que aquele tipo de texto NÃO É daquele autoir consagrado. Já chamei a atenção de amigos que rerproduziram empolgados alguma coisa dessas e eles não gostaram, agora fico quieto. Às vezes eu acho que é de autoria de um Mané qualquer que queria que o famoso (e muito bom) tivesse escrito como ele, coitado. Pois geralmente são coisas piegas e bem ruinzinhas. Aliás, o site mostra que há sempre um upgrade no nome a quem atribuem o texto. De Bruna Lombardi para Clarice Lispector, uns 100mil anos-luz, por exemplo; de Fernando Sabino, mesmo quando acertava, para o xará Pessoa, 1.000.000 de anos-luz e por aí vai (Artur da Távola virar Drummond…Acho que ele não aceitaria isso). Como exploram o nome de Clarice, Neruda! – e de outro nosso querido mas que joga em outra área e top, o Veríssimo!

  28. Darcilda Montez

    Obrigada, Fábio!

  29. Te amo
    Te amo de una manera inexplicable.
    De una forma inconfesable.
    De un modo contradictorio.
    Te amo
    Con mis estados de ánimo que son muchos,
    y cambian de humor continuamente.
    Por lo que ya sabes,
    El tiempo.
    La vida.
    La muerte.

    Te amo
    con el mundo que no entiendo.
    Con la gente que no comprende.
    Con la ambivalencia de mi alma.
    Con la incoherencia de mis actos,
    Con la fatalidad del destino.
    Con la conspiración del deseo.
    Con la ambigüedad de los hechos.
    Aún cuando te digo que no te amo, te amo.
    Hasta cuando te engaño, no te engaño.
    En el fondo, llevo a cabo un plan,
    para amarte… mejor.
    Pues, aunque no lo creas, mi piel
    extraña enormemente
    la ausencia de tu piel.

    Te amo.
    Sin reflexionar, inconscientemente,
    irresponsablemente,
    espontáneamente,
    involuntariamente,
    por instinto,
    por impulso,
    irracionalmente.
    En efecto no tengo argumentos lógicos,
    ni siquiera improvisados
    para fundamentar este amor que siento por ti,
    que surgió misteriosamente de la nada,
    que no ha resuelto mágicamente nada,
    y que milagrosamente, de a poco, con poco y nada
    ha mejorado lo peor de mi.

    Te amo.
    Te amo con un cuerpo que no piensa,
    con un corazón que no razona,
    con una cabeza que no coordina.
    Te amo
    incomprensiblemente.
    Sin preguntarme, por qué te amo.
    Sin importarme por qué te amo.
    Sin cuestionarme por qué te amo.
    Te amo
    sencillamente porque te amo.
    Yo mismo no se por qué te amo.

    (Este poema é atribuído a Neruda e aparece declamado na voz de uma pessoa que em alguns sites é identificado como GIAN FRANCO PAGLIARO e em outros como LUIZ GERARDO TOVAR. Então a dúvida se amplia: Quem é o autor e quem efetivamente o declama?)

    • Ana María Améstica

      Isto jamais poderia ser de Pablo Neruda. É uma mais das tantas coisas falsamente atribuídas a escritores de prestigio nesta terra de ninguém que virou a Internet.
      Gente, quem já leu Neruda não poderia cair num equívoco semelhante. A poesia de Neruda é cheia de metáforas, de imagens. O domínio da língua, a cadência, não tem como comparar nem confundir. Nem mesmo quando era um adolescente. Não se pode esquecer que ele publicou “Crepusculario”, seu primeiro livro de poemas, quando tinha apenas dezenove anos (aqui aparece o famoso “Farewell”), e em 1924, com vinte anos, publica um dos seus livros mais conhecidos, “Vinte poemas de amor e uma canção desesperada”.

      Também estão na lista de poemas falsamente atribuídos a ele: “Muere lentamente” de Martha Medeiros, “Queda prohibido” de Alfredo Cuervo y “Nunca te quejes” de autor desconhecido.
      Um abraço desde o Chile.

      PS: Gian Franco Pagliaro foi um famoso cantante e compositor italiano que morou muito tempo na Argentina, mas eu desconheço que este texto lhe pertença.

  30. Fabio, eu gostaria de confirmar a autoria do poema TE AMO atribuído na net como de Pablo Neruda.

  31. Olá Fabio Rocha,
    O seu trabalho é ótimo. Parabéns.
    Eu havia te perguntado se o poema “amor e síntese” era do Quintana. No dia que eu fiz a pergunta eu não tinha visto que você já havia postado sobre isso. Desculpe-me pela pergunta e obrigada por manter um site com tamanha obra poética.

    Bjs

  32. Juliana Crasnhak

    Ola, Fábio Rocha.
    Parabéns pelo trabalho.
    Você poderia dizer se esse texto é ou não de Mário Quintana?
    Obrigada.

    “Bendito quem inventou o belo truque do calendário, pois o bom da segunda-feira, do dia 1º do mês e de cada ano novo é que nos dão a impressão de que a vida não continua, mas apenas recomeça…”

    • Obrigado, Juliana!

      Pesquisei aqui na internet e não achei nada totalmente confiável. Parece ser mais uma falsa autoria ou texto apócrifo. O “verdadeiro” seria esse (tenho que checar no livro do Quintana ainda):

      *

      713.789

      O bom das segundas-feiras do primeiro de cada mês e do Primeiro do Ano é que nos dão a ilusão que a vida se renova…
      Que seria de nós se a folhinha marcando hoje o dia 713.789 da era cristã?

      (Mario Quintana, do livro Da Preguiça como Método de Trabalho?)

      *

      OBS.: Achei nessa pesquisa outro poema como se fosse de Drummond, rolando pela internet, mas também sem citar o livro para eu poder checar:

      *

      CORTAR O TEMPO

      Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias,
      a que se deu o nome de ano,
      foi um indivíduo genial.
      Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão.
      Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
      Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente.

      (Drummond?)

      *

      Se alguém mais puder ajudar, fique à vontade.

  33. É o que eu mais vejo por aí, fico indignado.

    Compartilhei a postagem na página do Facebook do meu blog:

  34. Essas falsas autorias vêm de longe, Fabio. Há muitos anos encontro esse tipo de falsidade ou erro, nem sei bem. Valeu a matéria.

  35. Graça Nunes

    Tenho uma falsa para relatar, um texto circulando chamado Palavras atribuído a Shakespeare, absurdo , horroroso, parece redação de adolescente e quem tem sido divulgado intensivamente como Shakespeare. não conferi, mas quem leu Shakespeare pelo menos uma vez na vida reconhece imediatamente que não pode ter sido ele o autor.Talvez vc consiga divulgar que é falso.Obrigada.

  36. [...] PENSADOR é um site cheio de textos errados e falsas autorias, destruidor de nosso patrimônio cultural, mas feito com boas técnicas de SEO e de programação. [...]

  37. [...] Esse texto é mais uma falsa autoria, que graças a sites como esses, segue circulando na internet. Atribuída a Fernando Pessoa, mas [...]

  38. Perfeita essa idéia de desmascarar as falsas autorias!!!! Se a pessoa não conhece o autor e não tem coragem de conhecer a obra, cai direitinho e sai por aí divulgando mentiras. Parabéns!!!!

  39. Paulo Tabatinga Lopes

    o negócio esta feio. a falta de respeito está se tornando normal. é uma pena!

  40. Suely Braga

    Acho muito interessante o teu trabalho esclarecedor sobre os falsos Quintanas.A internet está repleta de plágios de grandes escritores e poetas.VE-se muito os falsos
    Fernandos Veríissimos, as Falsas Martas Medeiros e por aí a fora.Parabéns!
    Minha irmã consulta muito o Site Seja Verdade que desmascara os plagiadores.

    • Obrigado! Seguimos na luta! Obrigado pelo apoio sempre, Suely.

    • Glô

      Oi Suely,

      Poderia me passar o endereço do site que a sua irmã consulta, por favor? Não encontrei.
      Fabio Rocha, muito pertinente seu post. Sou pelos direitos autorais, sempre. Tenho o hábito de consultar em sites confiáveis, antes de postar ou enviar textos quando tenho dúvida em relação a autoria, o que ocorre quando não conheço de publicações em livros, ou de outras midias sérias, ou quando percebo o estilo da escrita em nada parecido com o autor citado. Mesmo assim, há sempre a possibilidade de equivocos nas fontes que citei, a não ser, creio eu, na literatura. Quando a dúvida persiste, se gosto do texto e desejo compartilhar, escrevo: Desconheço o autor.

  41. Gerci

    Obrigada Fabio, fico feliz em saber que tem pessoas preocupadas e usando de seu tempo, que deve ser precioso, para corrigir estas bestialidades.
    abraço fraterno
    Gerci

  42. [...] ou reconquista da sua futura namorada… Segue uma seleção de poemas de amor sem erros nem falsas autorias, de poetas consagrados, para a sua escolha:Adélia Prado: Para o Zé – com vídeoAffonso [...]

  43. [...] parecer que faz sentido.(Artur da Távola)(Atribuído a Carlos Drummond de Andrade, mas é mais uma falsa autoria. O texto é de Artur da [...]

  44. CGallegos

    Olá Fábio! Parabéns pelo site… se pudesse me ajudar na seguinte questão ficaria bastante grata: você saberia dizer se a frase: “O homem não deixa de viver quando morre, mas sim quando deixa de amar.” (tampouco sei se este formato é exatamente o original), é de autoria de Mário Quintana? Quando pesquiso na internet aparece ora ele e também Charles Chaplin como autores… qual seria a correta autoria desse pensamento? Agradeço antecipadamente sua atenção! Abraço fraterno! e mais uma vez parabéns pelo seu talento!

  45. [...] Rio de Janeiro: Record, 1984. p. 36)(Seleção de Fabio Rocha)OBS.: Esse texto é mais uma falsa autoria, que graças a sites como esses, segue circulando na internet atribuída a Clarice Lispector. O [...]

  46. Achei muito interessante seu trabalho. Vou divulgar essas informações na minha fan-page do fexcebook, que discute exatamente esses erros de autoria. Se quiser, vá conhecer a página!

  47. Jaqueline Aragão Vieira

    Fiquei chocada. Os versos não têm nada a ver com a poesia do Mario Quintana.

  48. Jaqueline Aragão Vieira

    Fiquei chocada. Os versos não têm nada a ver com a poesia do Mario Quintana.

  49. Jaqueline Aragão Vieira

    Fiquei chocada. Os versos não têm nada a ver com a poesia do Mario Quintana.

  50. jailton

    Até o Abujamra caiu nessa. Interpretou Seiscentos e sessenta e seis com o título: O Tempo. Um texto completamente alterado. Encontra-se em PROVOCAÇÕES. Um forte abraço. PS: A interpretação de Abujamra ficou lindíssima.

  51. Edson Medeiros

    Belo trabalho este de separar o que é verdadeiramente de Mario Quintana e o que é falso. Muito triste é a gente conviver com esta lado escroto da Internet.

  52. Belo trabalho este de separar o que é verdadeiramente de Mario Quintana e o que é falso. Muito triste é a gente conviver com esta lado escroto da Internet.

  53. Milene Alima

    po kati…rs….tb nao e assim….rs

  54. Calibam Shebecct

    Isso acontece porque as pessoas não leem!
    Tem uma do Pessoa que me mandaram… debulhei a obra completa pra depois descobrir que inventaram…
    Mas há uma dica: é só prestar atenção na qualidade… se for medíocre, é sertanejo, é axé ou até mesmo funk (argh!), mas não O Poeta, o autor.

  55. Pois é, caro poeta… Para quem conhece o Quintana vê de cara que isso aí não é dele, mas o problema é quem o fica conhecendo e o citando através desses textos, Lamentável. Parabéns pela iniciativa.

  56. Isso acontece porque as pessoas não leem!
    Tem uma do Pessoa que me mandaram… debulhei a obra completa pra depois descobrir que inventaram…
    Mas há uma dica: é só prestar atenção na qualidade… se for medíocre, é sertanejo, é axé ou até mesmo funk (argh!), mas não O Poeta, o autor.

  57. Isso acontece porque as pessoas não leem!
    Tem uma do Pessoa que me mandaram… debulhei a obra completa pra depois descobrir que inventaram…
    Mas há uma dica: é só prestar atenção na qualidade… se for medíocre, é sertanejo, é axé ou até mesmo funk (argh!), mas não O Poeta, o autor.

  58. Merda seca?? Não, merda úmida e fedida, kkkk É triste porque se percebe claramente que quem acredita serem do Quintana, nunca leu uma linha dele.

  59. Pois é, caro poeta… Para quem conhece o Quintana vê de cara que isso aí não é dele, mas o problema é quem o fica conhecendo e o citando através desses textos, Lamentável. Parabéns pela iniciativa.

  60. Rodrigo Freire

    É. calamitoso. sobretudo porque as poesias apócrifas acima são merda seca!

  61. Rodrigo Freire

    É. calamitoso. sobretudo porque as poesias apócrifas acima são merda seca!

  62. fabiorochapoeta (@fabiorochapoeta)

    Falsas Autorias – Falsos Quintanas: Falsas Autorias – textos de autoria desconhecida ou… http://t.co/0Yc2ctKw

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>