Facebook Twitter Gplus YouTube RSS

Manuel Bandeira – Poemas

Cursos Online na área de Ciências Humanas e Sociais

Manuel Bandeira – Poemas

Consoada

Quando a Indesejada das gentes chegar
(Não sei se dura ou caroável),
Talvez eu tenha medo.
Talvez sorria, ou diga:
- Alô, iniludível!
O meu dia foi bom, pode a noite descer.
(A noite com os seus sortilégios.)
Encontrará lavrado o campo, a casa limpa,
A mesa posta,
Com cada coisa em seu lugar.

Manuel Bandeira )
(Poema digitado e conferido por mim mesmo em 1 de novembro de 2012, publicado em  Bandeira de bolso: uma Antologia Poética - Porto Alegre, RS: L&PM, 2012. p. 133)

manuel-bandeira

Chama e Fumo

Amor – chama, e, depois, fumaça…
Medita no que vais fazer:
O fumo vem, a chama passa…

Gozo cruel, ventura escassa,
Dono do meu e do teu ser,
Amor – chama, e, depois, fumaça…

Tanto ele queima! e, por desgraça,
Queimando o que melhor houver,
O fumo vem, a chama passa…

Paixão puríssima ou devassa,
Triste ou feliz, pena ou prazer,
Amor – chama, e, depois, fumaça…

A cada par que a aurora enlaça,
Como é pungente o entardecer!
O fumo vem, a chama passa…

Antes, todo ele é gosto e graça.
Amor, fogueira linha a arder!
Amor – chama, e, depois, fumaça…

Porquanto, mal se satisfaça
(Como te poderei dizer?…),
O fumo vem, a chama passa…

A chama queima. O fumo embaça.
Tão triste que é! Mas… tem de ser…
Amor?… – chama, e, depois, fumaça:
O fumo vem, a chama passa…

Manuel Bandeira, Teresópolis, 1911 )
(Poema digitado e conferido por mim mesmo e Rebeca dos Anjos em 2 de novembro de 2012, publicado em  Bandeira de bolso: uma Antologia Poética - Porto Alegre, RS: L&PM, 2012. p. 27)

Manuel Bandeira - Chama e Fumo

*

A estrela

Vi uma estrela tão alta,
Vi uma estrela tão fria!
Vi uma estrela luzindo
Na minha vida vazia.

Era uma estrela tão alta!
Era uma estrela tão fria!
Era uma estrela sozinha
Luzindo no fim do dia.

Por que da sua distância
Para a minha companhia
Não baixava aquela estrela?
Por que tão alta luzia?

E ouvi-a na sombra funda
Responder que assim fazia
Para dar uma esperança
Mais triste ao fim do meu dia.

Manuel Bandeira )

*

O rio

Ser como o rio que deflui
Silencioso dentro da noite.
Não temer as trevas da noite.
Se há estrelas no céu, refleti-las
E se os céus se pejam de nuvens,
Como o rio as nuvens são água,
Refleti-las também sem mágoa
Nas profundidades tranqüilas.

Manuel Bandeira )

*

Porquinho-da-Índia

Quando eu tinha seis anos
Ganhei um porquinho-da-índia.
Que dor de coração eu tinha
Porque o bichinho só queria estar debaixo do fogão!
Levava ele pra sala
Pra os lugares mais bonitos, mais limpinhos,
Ele não se importava:
Queria era estar debaixo do fogão.
Não fazia caso nenhum das minhas ternurinhas…
- O meu porquinho-da-índia foi a minha primeira namorada.

Manuel Bandeira )

*

Pneumotórax

Febre, hemoptise, dispnéia e suores noturnos.
A vida inteira que podia ter sido e que não foi.
Tosse, tosse, tosse.

Mandou chamar o médico:
- Diga trinta e três.
- Trinta e três… trinta e três… trinta e três…
- Respire.

- O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo e o pulmão direito infiltrado.
- Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?
- Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino.

Manuel Bandeira )

manuel-bandeira-com-livros

*

Oração para Aviadores

Santa Clara, clareai
Estes ares.
Dai-nos ventos regulares,
de feição.
Estes mares, estes ares
Clareai.

Santa Clara, dai-nos sol.
Se baixar a cerração,
Alumiai
Meus olhos na cerração.
Estes montes e horizontes
Clareai.

Santa Clara, no mau tempo
Sustentai
Nossas asas.
A salvo de árvores, casas,
E penedos, nossas asas
Governai.

Santa Clara, clareai.
Afastai
Todo risco.
Por amor de S. Francisco,
Vosso mestre, nosso pai,
Santa Clara, todo risco
Dissipai.

Santa Clara, clareai.

Manuel Bandeira )

*

Velha chácara

A casa era por aqui…
Onde? Procuro-a e não acho.
Ouço uma voz que esqueci:
É a voz deste mesmo riacho.

Ah quanto tempo passou!
(Foram mais de cinqüenta anos.)
Tantos que a morte levou!
(E a vida… nos desenganos…)

A usura fez tábua rasa
Da velha chácara triste:
Não existe mais a casa…

- Mas o menino ainda existe.

Manuel Bandeira )

*

Tragédia brasileira

Misael, funcionário da Fazenda, com 63 anos de idade,

Conheceu Maria Elvira na Lapa, – prostituída, com sífilis, dermite nos dedos, uma aliança empenhada e o dentes em petição de miséria.

Misael tirou Maria Elvira da vida, instalou-a num sobrado no Estácio, pagou médico, dentista, manicura… Dava tudo quanto ela queria.

Quando Maria Elvira se apanhou de boca bonita, arranjou logo um namorado.

Misael não queria escândalo. Podia dar uma surra, um tiro, uma facada. Não fez nada disso: mudou de casa.

Viveram três anos assim.

Toda vez que Maria Elvira arranjava namorado, Misael mudava de casa.

Os amantes moraram no Estácio, Rocha, Catete, Rua General Pedra, Olaria, Ramos, Bonsucesso, Vila Isabel, Rua Marquês de Sapucaí, Niterói, Encantado, Rua Clapp, outra vez no Estácio, Todos os Santos, Catumbi, Lavradio, Boca do Mato, Inválidos…

Por fim na Rua da Constituição, onde Misael, privado de sentidos e de
inteligência, matou-a com seis tiros, e a polícia foi encontrá-la caída em decúbito dorsal, vestida de organdi azul.

Manuel Bandeira )

*

Paisagem Noturna

A sombra imensa, a noite infinita enche o vale…
E lá no fundo vem a voz
Humilde e lamentosa
Dos pássaros da treva. Em nós,
- Em noss’alma criminosa,
O pavor se insinua…

Um carneiro bale.
Ouvem-se pios funerais.
Um como grande e doloroso arquejo
Corta a amplidão que a amplidão continua…
E cadentes, metálicos, pontuais,
Os tanoeiros do brejo,
- Os vigias da noite silenciosa,
Malham nos aguaçais.

Pouco a pouco, porém, a muralha de treva
Vai perdendo a espessura, e em breve se adelgaça
Como um diáfano crepe, atrás do qual se eleve
A sombria massa
Das serranias.

O plenilúnio vai romper…Já da penumbra
Lentamente reslumbra
A paisagem de grandes árvores dormentes.
E cambiantes sutis, tonalidades fugidias,
Tintas deliquescentes
Mancham para o levante as nuvens langorosas.

Enfim, cheia, serena, pura,
Como uma hóstia de luz erguida no horizonte,
fazendo levantar a fronte
Dos poetas e das almas amorosas,
Dissipando o temor nas consciências medrosas
E frustrando a emboscada a espiar na noite escura,
- A Lua
Assoma à crista da montanha.

Em sua luz se banha
A solidão cheia de vozes que segredam…
Em voluptuoso espreguiçar de forma nua
As névoas enveredam
No vale. São como alvas, longas charpas
Suspensas no ar ao longo das escarpas.
Lembram os rebanhos de carneiros
Quando,
fugindo ao sol a pino,
Buscam oitões, adros hospitaleiros
E lá quedam tranqüilos ruminando…
Assim a névoa azul paira sonhando…
As estrelas sorriem de escutar
As baladas atrozes
Dos sapos.
E o luar úmido…fino…
Amávico…tutelar…
Anima e transfigura a solidão cheia de vozes…

Manuel Bandeira )

manuel-bandeira-com-violao

*

Mascarada

Você me conhece?
(Frase dos mascarados de antigamente)

- Você me conhece?
- Não conheço não.
- Ah, como fui bela!
Tive grandes olhos,
que a paixão dos homens
(estranha paixão!)
Fazia maiores…
Fazia infinitos.
Diz: não me conheces?
- Não conheço não.

- Se eu falava, um mundo
Irreal se abria
à tua visão!
Tu não me escutavas:
Perdido ficavas
Na noite sem fundo
Do que eu te dizia…
Era a minha fala
Canto e persuasão…
Pois não me conheces?
- Não conheço não.
- Choraste em meus braços
- Não me lembro não.

- Por mim quantas vezes
O sono perdeste
E ciúmes atrozes
Te despedaçaram!

Por mim quantas vezes
Quase tu mataste,
Quase te mataste,
Quase te mataram!
Agora me fitas
E não me conheces?

- Não conheço não.
Conheço que a vida
É sonho, ilusão.
Conheço que a vida,
A vida é traição.

Manuel Bandeira )

*

Estrada

Esta estrada onde moro, entre duas voltas do caminho,
Interessa mais que uma avenida urbana.
Nas cidades todas as pessoas se parecem.
Todo o mundo é igual. todo o mundo é toda a gente.
Aqui, não: sente-se bem que cada um traz a sua alma.
Cada criatura é única.
Até os cães.
Estes cães da roça parecem homens de negócios:
Andam sempre preocupados.
E quanta gente vem e vai!
E tudo tem aquele caráter impressivo que faz meditar:
Enterro a pé ou a carrocinha de leite puxada por um bodezinho
manhoso.
Nem falta o murmúrio da água, para sugerir, pela voz dos símbolos,
Que a vida passa! que a vida passa!
E que a mocidade vai acabar.

Manuel Bandeira )

*

O impossível carinho

Escuta, eu não quero contar-te o meu desejo
Quero apenas contar-te a minha ternura
Ah se em troca de tanta felicidade que me dás
Eu te pudesse repor
- Eu soubesse repor -
No coração despedaçado
As mais puras alegrias de tua infância!

Manuel Bandeira )

*

O exemplo das rosas

Uma mulher queixava-se do silêncio do amante:
- Já não gostas de mim, pois não encontras palavras para me louvar!
Então ele, apontando-lhe a rosa que lhe morria no seio:
- Não será insensato pedir a esta rosa que fale?
Não vês que ela se dá toda no seu perfume?

Manuel Bandeira )

*

Satélite

Fim de tarde.
No céu plúmbeo
A Lua baça
Paira
Muito cosmograficamente
Satélite.

Desmetaforizada,
Desmitificada,
Despojada do velho segredo de melancolia,
Não é agora o golfão de cismas,
O astro dos loucos e dos enamorados.
Mas tão-somente
Satélite.

Ah Lua deste fim de tarde,
Demissionária de atribuições românticas,
Sem show para as disponibilidades sentimentais!

Fatigado de mais-valia,
Gosto de ti assim:
Coisa em si,
- Satélite.

Manuel Bandeira )

*

Ria, Rosa, Ria

(A Guimarães Rosa)

Acaba a Alegria
Dizendo-nos: – Ria!
Velha companheira,
Boa conselheira!

Por isso me rio
De mim para mim.
Rio, rio, rio!
E digo-lhes: – Ria,
Rosa, noite e dia!
No calor, no frio,
Ria, ria! Ria,
Como lhe aconselha
Essa doce velha
Cheirando a alecrim,
A alegre Alegria!

Manuel Bandeira )

manuel-bandeira-jovem

*

Namorados

O rapaz chegou-se para junto da moça e disse:

- Antônia, ainda não me acostumei com o seu corpo, com a sua cara.

A moça olhou de lado e esperou.

- Você não sabe quando a gente é criança e de repente vê uma
lagarta listada?

A moça se lembrava:
- A gente fica olhando…

A meninice brincou de novo nos olhos dela.

O rapaz prosseguiu com muita doçura:

- Antônia, você parece uma lagarta listada.

A moça arregalou os olhos, fez exclamações.

O rapaz concluiu:

- Antônia, você é engraçada, você parece louca.

Manuel Bandeira )

*

Arte de Amar

Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
A alma é que estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
Não noutra alma.
Só em Deus – ou fora do mundo.

As almas são incomunicáveis.

Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.

Porque os corpos se entendem, mas as almas não.

Manuel Bandeira )

*

Desencanto

Eu faço versos como quem chora
De desalento… de desencanto…
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.

Meu verso é sangue. Volúpia ardente…
Tristeza esparsa… remorso vão…
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.

E nestes versos de angústia rouca,
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.

- Eu faço versos como quem morre.

Manuel Bandeira )

*

Vou-me Embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconseqüente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha falsa e demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d’água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
- Lá sou amigo do rei -
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada

Manuel Bandeira )

*

Andorinha

Andorinha lá fora está dizendo:
- “Passei o dia à toa, à toa!”

Andorinha, andorinha, minha cantiga é mais triste!
Passei a vida à toa, à toa…

Manuel Bandeira )

*

Letra para uma valsa romântica

A tarde agoniza
Ao santo acalanto
Da noturna brisa.
E eu, que também morro,
Morro sem consolo,
Se não vens, Elisa!

Ai nem te humaniza
O pranto que tanto
Nas faces desliza
Do amante que pede
Suplicantemente
Teu amor, Elisa!

Ri, desdenha, pisa!
Meu canto, no entanto,
Mais te diviniza,
Mulher diferente,
Tão indiferente,
Desumana Elisa!

Manuel Bandeira )

manuel-bandeira-sorrindo

*

Sextilhas Românticas

Paisagens da minha terra,
Onde o rouxinol não canta
- Mas que importa o rouxinol?
Frio, nevoeiros da serra
Quando a manhã se levanta
Toda banhada de sol!

Sou romântico? Concedo.
Exibo, sem evasiva,
A alma ruim que Deus me deu.
Decorei “Amor e medo”,
“No lar”, “Meus oito anos”… Viva
José Casimiro Abreu!

Sou assim, por vício inato.
Ainda hoje gosto de *Diva*,
Nem não posso renegar
Peri, tão pouco índio, é fato,
Mas tão brasileiro… Viva,
Viva José de Alencar!

Paisagens da minha terra,
Onde o rouxinol não canta
- Pinhões para o rouxinol!
Frio, nevoeiros da serra
Quando a manhã se levanta
Toda banhada de sol!

Ai tantas lembranças boas!
Massangana de Nabuco!
Muribara de meus pais!
Lagoas das Alagoas,
Rios do meu Pernambuco,
Campos de Minas Gerais!

Manuel Bandeira )

*

Poética

Estou farto do lirismo comedido
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente
protocolo e manifestações de apreço ao sr. diretor

Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário
o cunho vernáculo de um vocábulo

Abaixo os puristas
Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais
Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção
Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis

Estou farto do lirismo namorador
Político
Raquítico
Sifilítico
De todo lirismo que capitula ao que quer que seja fora de si mesmo.

De resto nã é lirismo
Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante exemplar
com cem modelos de cartas e as diferentes maneiras de
agradar às mulheres, etc.

Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbados
O lirismo difícil e pungente dos bêbados
O lirismo dos clowns de Shakespeare

- Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.

Manuel Bandeira )

*

Versos Escritos N’água

Os poucos versos que aí vão,
Em lugar de outros é que os ponho.
Tu que me lês, deixo ao teu sonho
Imaginar como serão.

Neles porás tua tristeza
Ou bem teu júbilo, e, talvez,
Lhes acharás, tu que me lês,
Alguma sombra de beleza…

Quem os ouviu não os amou.
Meus pobres versos comovidos!
Por isso fiquem esquecidos
Onde o mau vento os atirou.

Manuel Bandeira )

*

Belo Belo

Belo belo belo,
Tenho tudo quanto quero.

Tenho o fogo de constelações extintas há milênios.
E o risco brevíssimo – que foi? passou – de tantas estrelas cadentes.

A aurora apaga-se,
E eu guardo as mais puras lágrimas da aurora.

O dia vem, e dia adentro
Continuo a possuir o segredo grande da noite.

Belo belo belo,
Tenho tudo quanto quero.

Não quero o êxtase nem os tormentos.
Não quero o que a terra só dá com trabalho.

As dádivas dos anjos são inaproveitáveis:
Os anjos não compreendem os homens.

Não quero amar,
Não quero ser amado.
Não quero combater,
Não quero ser soldado.

- Quero a delícia de poder sentir as coisas mais simples.

Manuel Bandeira )

*

Belo Belo II

Belo belo minha bela
Tenho tudo que não quero
Não tenho nada que quero
Não quero óculos nem tosse
Nem obrigação de voto
Quero quero
Quero a solidão dos píncaros
A água da fonte escondida
A rosa que floresceu
Sobre a escarpa inacessível
A luz da primeira estrela
Piscando no lusco-fusco
Quero quero
Quero dar a volta ao mundo
Só num navio de vela
Quero rever Pernambuco
Quero ver Bagdá e Cusco
Quero quero
Quero o moreno de Estela
Quero a brancura de Elisa
Quero a saliva de Bela
Quero as sardas de Adalgisa
Quero quero tanta coisa
Belo belo
Mas basta de lero-lero
Vida noves fora zero.

Manuel Bandeira )

(Seleção de Fabio Rocha)
Manuel Bandeira

Manuel Bandeira

O poeta Manuel Bandeira

Voltar para o índice de poetas consagrados

amopoesia.com.br

43 Respostas

  1. Sergio Zurita

    Poderiam publicar o poema “O Pernilongo” do Manuel Bandeira pois só me recordo um trecho dele?
    Desde já grato.
    Sergio Zurita.

  2. O Manuel Bandeira é um dos meus poetas favoritos. Senti falta do Poemeto Erótico, por favor, poste a versão correta aqui, visto que tem uma versão errada sendo divulgada na internet. A versão correta, pelo que sei, é a seguinte:

    “Teu corpo é tudo o que brilha
    Teu corpo é tudo o que cheira
    Rosa, flor de laranjeira

    Teu corpo, claro e perfeito
    Teu corpo de maravilha
    Quero possuí-lo no leito estreito da redondilha

    Teu corpo, branco e macio
    É como um véu de noivado.
    Teu corpo é pomo doirado,
    Rosal queimado de estio
    Desfalecido em perfume
    Teu corpo é a brasa do lume

    Teu corpo é chama
    E flameja como à tarde os horizontes
    É puro como nas fontes a água clara que serpeja,
    Que em cantigas se derrama, volúpia da água e da chama

    Teu corpo é tudo o que brilha,
    Teu corpo é tudo o que cheira.

    A todo momento o vejo
    Teu corpo, a única ilha no oceano do meu desejo.”

  3. Mirjam Vlaanderen

    Who knows the text of the poem Murmuría d´água? If you know it, can you post it here?

    Thank you.

    Mirjam, Amsterdam

  4. Renato Conceição

    Outro dia fiz um comentário que havia faltado "Angústia" perdão o nome certo é "Renúncia"

    RENÚNCIA
    Chora de manso e no íntimo… Procura
    Curtir sem queixa o mal que te crucia:
    O mundo é sem piedade e até riria
    Da tua inconsolável amargura.

    Só a dor enobrece e é grande e é pura.
    Aprende a amá-la que a amarás um dia.
    Então ela será tua alegria,
    E será, ela só, tua ventura…

    A vida é vã como a sombra que passa…
    Sofre sereno e de alma sobranceira,
    Sem um grito sequer, tua desgraça.

    Encerra em ti tua tristeza inteira.
    E pede humildemente a Deus que a faça
    Tua doce e constante companheira…

  5. Renato Conceição

    Por favor inclua Angustia

  6. elma

    “ontem,hoje,amanhã;a vida inteira teu nome é para nós,Manuel Bandeira!’
    ja dizia Drummond. como é bom poder ler um dos meus escritores preferidos . otima escolhas das poesias
    Recife sem mais nada,”…Recife da minha infancia(…)’

  7. Ronaldo

    Alguém sabe me dizer o que acontece com o “Poema do Mais Triste Maio”?
    Outro dia lancei uns versos dele no google para conseguir o texto completo e de repente me deparo com uma enchurrada de “(…) as saudades não me consolam, antes FEREM-ME COMO DARDOS (…)”.
    Pode ser que o equívoco se deu na minha infância, com as publicações a que tive acesso, mas lembro-me muito bem de ter lido em papel impresso, na década de 80, que os termos eram “(…) as saudades não me consolam, antes PUNGEM-ME COMO CARDOS (…)”.
    “PUNGEM-ME”, não “ferem-me”.
    “CARDOS”, que por sinal é um termo empregado ao longo de todo o poema, não “dardos”.

    • Você tem as referências bibliográficas completas para eu pesquisar? Deve ser mais uma vez poema circulando errado na internet… Abraços

      • Ronaldo

        Infelizmente não tenho… Mas este era um dos meus poemas favoritos, e embora eu não me lembrasse de todos os versos tenho bem vivo na memória que nas publicações a que tive acesso (que na verdade bem poderiam ser da década de 70) os termos eram “pungem-me” e “cardos”. Quem sou eu pra tentar analisar a composição de Manuel Bandeira, mas realmente me parece mais lógico que nestes termos o original tenha sido escrito. Ou estou maluco?…

  8. mileny

    eu adorei as poesias a minha professora leu o bicho e eu quase chorei

  9. Luiz Fernando

    Tentei escolher um verso que fosse, apenas para ilustrar a minha admiração pelo Manuel Bandeira…Elegi tantos, que é melhor deixá-los onde estão. Não quero causar ciúmes entre os versos rs Salve Bandeira!! Viva a poesia!!!

  10. yvvi guimarães

    Amo ler poesias, é como viajar…
    Não pare, por favor, Bandeira, Quintana e Neruda são meus preferidos
    abraços

  11. as poesias de Manuel Bandeira ganha força e ousadia nas primeiras fases do Modernismo.Mas suas poesias datam de 1917-20 por aí… =)

  12. Matheus Mendes

    PARABÉNS MANUEL BANDEIRA GOSTO MUTO DOS SEUS POEMAS

  13. Espetacular e inigualável Mannuel Bandeira, que em suas inspiradas poesias, acalanta a alma e o sentimento humano!!!!

  14. Leila Marina Ferraz Hansen

    Amo Manoel Bandeira visitarei sempre o site .Obrigado aos seus responsáveis que em meio a tantas desgraças nos colocam meio a um oásis de beleza e encantamento .

  15. heloisa

    Amo demais esse poeta e suas poesias, ele fez parte da minha juventude, quando eu e amigos fugiamos das aulas para ler e paquerar na biblioteca. Entre bilhetinhos e trechos de poesia, aprendemos a amar a literatura.Basta ler Manuel Bandeira para gostar.

  16. ee muito legal os poemas dele……..

  17. Pra ficar perfeita essa seleção, faltou apenas o poema mais bonito, na minha opinião, do Manuel Bandeira – Estrela da manhã.

  18. Marília Ferreira

    Manuel Bandeira simplesmente expressa seu modo de vida em seus poemas, nos ensinando lições pra vida toda. Gosto muito de seus poemas. abraço…

  19. socorro vieira

    Bandeira: poesia da vida; poesia-vida; poesisa-poesia

  20. Mário L S Franco

    Só mesmo “A Estrela” poderia me dar mais esperança ao final do meu dia.

  21. Romero Disney Pereira Barros

    Adoro Manuel Bandeira. Não conhecia a maioria dos poemas que estão aqui, outros já tinha visto e alguns não vi.. Também não conhecia esse site/blog, muito legal. Prometo que vou explorá-lo mais. rsrs Parabéns! Abraço!

  22. Letícia

    Muito obrigada por oferecer estas maravilhosas poesias que me encantaram de verdade!

    tenho nove anos. valeu pessoal

  23. Joao Paiva

    Bandeira, tremula ao vento. Enche a alma.

  24. [...] Manuel Bandeira Ano: 1959 Duração: 10 min Cor: P&B Bitola: 35mm País: Brasil Leia mais BandeiraTweetgoogle.load('orkut.share','1');google.setOnLoadCallback(function(){new [...]

  25. Amo casemiro, Bandeira, Drumond e tantos outros da mesma linha.

  26. amo muito o Manuel Bandeira com sua poesia eterna….

  27. Fantastico como sua vida pode ser montada a partir dos versos. Sempre me encantei com suas poesias.Tristes , românticas e atuais até hoje!

  28. Rogerio Gonçalves Gonçalves

    Manuel tem características próprias, às vêzes, triste, às vêzes romântico. Mas sempre perfeito com seu estilo poético.

  29. rogerio augusto da silva gonçalves

    Sempre reciclo meus temas literários e poéticos. E, as reviso n”a Magia da poesia”! Acabei de reler Manuel Bandeira.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Home Manuel Bandeira – Poemas